MEDITAÇÃO CRISTÃ PARA AS CRIANÇAS.

 

A pedido de Mario Palumbo que conheci no Encontro de Coordenadores de Meditação Cristã do Brasil, em Embu, SP, dias 6,7 e 8 de agosto de 2004, resolvi escrever alguns fatos ocorridos em grupos de meditação com crianças que coordeno em uma creche para crianças de famílias mais simples, no Rio de Janeiro.

 

Esses encontros são com duas turmas: uma, do Curso de Alfabetização (CA), crianças com 6 anos, e outro, do Jardim de Infância (JA), com 5 anos.  Comecei esse trabalho em fevereiro/2004 pois gostaria que Dom Laurence as conhecesse quando ele viesse ao RJ nesse ano, o que ocorreu em 24 de março de 2004, quando, então, meditou com as crianças do CA.

 

Atualmente, agosto/2004, a maioria das crianças do Curso de Alfabetização (CA) está com 7 anos e as do Jardim (JA), com 6 anos.

 

As crianças do CA são bem mais agitadas do que as do Jardim. Acredito que isso acontece porque que as do CA assistiram um ano a mais de TV do que as do JA. As mais velhas gostam de contar o que lhes aconteceu durante a semana. Umas floreiam os fatos, outras os inventam. Procuro aproveitar tudo o que elas me contam, de falso ou verdadeiro, sem fazer juízo, e ajusto a estória à meditação que vamos fazer. Elas são muito carinhosas e, com o tempo, a meditação está transformando cada uma delas. Sinto que agora, no final do ano, elas quase não contam estórias inventadas, estão bem mais calmas e atentas. A irmã diz que as sente cada vez melhores.

 

No primeiro dia, expliquei-lhes como é feita essa oração, como repetir a palavra JESUS, de mansinho, vagarosamente. Procuro não falar muito, não dar muitas explicações. Às vezes, leio um pedacinho do Evangelho mas, procuro fazê-lo substituindo as palavras mais difíceis por palavras mais simples, que elas conheçam. E só leio um versículo, no máximo dois.

 

Pedi à Irmã, superiora da congregação responsável pela administração da  creche, que ensinasse às crianças a música, de origem Luterana : “Como Tu queres, Senhor, sou Teu. Tu és o oleiro, barro sou eu. Quebra e transforma, até que enfim, Tua vontade se faça em mim.”

 

Comecei mostrando-lhes o livro “The Happy Heart”, de Gragory Ryan, (americano responsável pela página da WEB, que também trabalha com crianças), e com ilustrações de Carlos Siqueira, (coordenador de Jacareí).

 

Com o passar dos meses, comecei a inserir os ensinamentos da meditação baseando-me em temas que surgissem na hora ou em fatos acontecidos comigo ou com alguma criança durante a semana. Normalmente, falo mais tempo com as mais do CA que são mais velhas e sinto que precisam ouvir mais as estórias para ficarem mais atentas. Com as crianças do Jardim, simplifico o que disse anteriormente para as do CA.

 

Hoje, enquanto escrevo essas anotações, vejo que estou mais à vontade e mais criativa nas reuniões, e que me vêm à mente, com mais rapidez, formas novas de passar os ensinamentos da meditação. Sinto que há necessidade de inventar coisas novas e que prendam a atenção das crianças para que os nossos encontros não se tornem monótonos. Porém, é importante notar que tudo é obra do Espírito Santo em nós e que, portanto, não precisamos nos preocupar.

 

A seguir , relato algumas reuniões. Não me lembro de todas mas, acho que essas são representativas.

 

1-      Li algumas páginas do livro “The Happy Heart”,  dando preferência àquelas em que apareciam as crianças sentadas meditando. Evitei chamar atenção a páginas do livro em que apareciam crianças com seu pai e sua mãe pois, nessa creche, muitos são filhos de mães solteiras ou separadas. Fiz passar o livro para que cada criança o folheasse. Meditamos, em seguida.

2-      Digitei algumas frases do tipo “Quando eu estou triste, eu repito o nome de Jesus, baixinho em meu coração: JESUS... JESUS... JESUS... E isso faz com que Jesus acalme a minha tristeza.” Ou então: ”Quando estou alegre, eu repito o nome de Jesus, baixinho em meu coração: JESUS... JESUS... JESUS... E, assim, eu agradeço a Ele pela minha alegria.”  Recortei tiras de papel com essas frases. Depois da meditação, distribuí os papeizinhos às crianças, li cada tira, fazendo cada uma repetir em voz alta o que estava escrito no seu papel. Disse-lhes para pedirem a seus pais,  professores ou pessoas mais velhas que lessem para elas e, assim, se lembrassem de fazer a meditação durante a semana.

3-      Tirei xerox colorido de algumas páginas do “The Happy Heart”  e dei ao representante da turma, depois da meditação, para ele colocar no mural da sala. Vendo o desenho todos os dias, acredito que as crianças voltem para a casa com a idéia mais fixa  em suas mentes.

4-      A Irmã Superiora, fixou nos corredores da creche algumas das figuras do livro.

5-      Li o Evangelho de Mateus, (Mt 6 , 6): “...entre em seu quarto, feche a porta e reze ao “Papai do Céu” secretamente (baixinho em seu coração) e seu “Papai do Céu”, que conhece o que está escondido, recompensará você.” E disse: “Vamos agora sentar, quietinhos, e rezar dizendo JESUS...JESUS...JESUS..., baixinho em nosso coração, e Jesus que conhece tudo o que é bom para nós vai nos recompensar.”

6-      Uma vez uma criança veio a mim e me abraçou com força e demoradamente. Falei: “Que abraço carinhoso! Obrigada!”. Virei-me para as outras crianças e lhes disse: “Como você gostam de ser abraçadas? Assim? (e abracei a menina mexendo com ela para os lados, sem parar) ou assim? (e abracei a menina sem me mexer, demonstrando profunda atenção e carinho). As crianças responderam: ”Do modo como você a abraçou pela segunda vez”. Disse-lhes: “Pois, então, quando vocês estiverem meditando, imaginem que vocês estão abraçando Jesus assim, com todo o carinho, quietinhos, paradinhos, ok? Acreditem , Ele vai gostar muito!”  Elas fecharam os olhos, começamos a meditar e senti que todos ficaram bem calminhos nesse dia.

7-      Li uma parte do Salmo 131 (130): “Eu fiz calar e repousar meus desejos, como criança nos braços de sua mãe, depois de mamar”. Perguntei: “Qual de vocês tem um irmãozinho ou uma irmãzinha pequena, que ainda mama?”  Algumas crianças levantaram o dedo e disseram: Eu! Eu! Eu! “Você já notaram como elas ficam quietinhas, dormindo no colo de sua mãe, depois de terem mamado?” “É isso que fazemos quando meditamos. É como se estivéssemos dormindo, no colo de Jesus. Vamos agora meditar, dizendo JESUS... JESUS... JESUS..., baixinho em nosso coração, sentindo que estamos descansando no colo de Jesus.”

8-      Disse-lhes: “Jesus uma vez disse aos seus amigos: “Eu vim para que tenham vida e tenham vida em abundância” (Jo 10,10). Vocês sabem o que significa “Vida em abundância?” Um deles disse-me: “É ter muito dinheiro.” Eu continuei: “Vou lhes dizer o que eu acho: ‘Ter vida em abundância’ é prestar atenção a cada momento da vida. É curtir cada momento da vida. Prestar atenção ao dia bonito com sol, ou à chuva caindo do céu, ao vento mexendo as folhas das árvores.  Quando estiver brincando,  no recreio, é ficar prestando atenção à brincadeira, brincar pra valer!!! Quando estiver na sala de aula, é ficar atento ao que a professora estiver ensinando e, depois, sentir que aprendeu a lição com facilidade. Quando estiver conversando com o papai ou com a mamãe, é prestar atenção e ouvir o que eles estiverem falando. Quando estiver conversando com um amigo, é ouvir o que ele/ela estiverem falando”. E, fazendo essa oração aqui, em grupo, todas as semanas, estamos aprendendo, treinando a prestar atenção ao momento presente. Repetindo a palavra JESUS, baixinho em nosso coração, prestando atenção, vocês vão ver como, com a continuação, vocês vão ficar “craques” em viver o momento presente. Vocês querem? Vamos meditar, então?”

9-  O Evangelho conta que Jesus estava dormindo, na barca, quando começou uma grande tempestade. Os seus amigos foram acordá-lo e disseram: “Mestre, não vês que vamos nos afogar? Há uma grande tempestade e estás a dormir?!” Jesus disse: “Não tenham medo. Eu estou aqui.” E fez as águas se acalmarem.  Então, eu lhes falei: Sabem de uma coisa? A meditação faz com que nós fiquemos mais perto do Papai do Céu que nos protege, não é? Então, fazendo a meditação, todos os dias, nós começamos a sentir  que, realmente, Jesus está mais perto de nós.  Cada vez mais perto. E isso faz com que a gente se sinta mais forte, mais confiante, sem medo. A gente começa a pensar algo assim: Papai do Céu está comigo. Jesus está comigo. Tenho certeza que ele está me protegendo, me ajudando. E a vida se torna mais leve, mais alegre e agradável. A gente começa a ver a vida com outros olhos. Vamos então meditar ?”

10- Comecei a fazer um outro curso e, por isso, tive de trocar de quarta-feira para sexta-feira o dia da reunião na Creche. Senti saudades das crianças. No fim-de-semana, viajei e, no caminho de volta para casa, comprei balas de côco. Na sexta-feira seguinte, disse-lhes: “Senti muitas saudades de vocês. Há mais de uma semana que não nos vemos, não é? Viajei e lembrei-me de vocês lá. Existem muitas igrejas em Ouro Preto e, quando entrava em uma igreja, pedia proteção de Deus para cada um de vocês. Quando a gente fica longe de quem a gente gosta é bom rezar por essa pessoa. Ao lembrar de vocês, resolvi comprar também umas balas de côco. Vocês gostam?” Distribuí uma balinha para cada um. Continuei dizendo: “Vocês se lembram de mim,  em casa?” As crianças disseram: ”Sim! Sim!”. “Posso pedir um favor a vocês? Quando vocês se lembrarem de mim, façam a meditação, o.k.?” (Alguns responderam que já fazem isso. Fiquei muito feliz.) “Mas, vamos começar o nosso encontro de hoje.  Quem pode me explicar como fazer uma oração ?” Um dos meninos rezou o Pai-nosso, falando bem rápido. “Alguém sabe outra oração?”  Outra criança rezou a Ave-maria. Disse-lhes: “Muito bem. A oração do Pai-Nosso é muito importante. Foi Jesus que ensinou quando seus amigos lhe pediram para ensinar a rezar.  Mas, prestem atenção que, tanto no Pai-Nosso quanto na Ave-maria, nós pedimos coisas a Deus. “O pão nosso de cada dia nos dai hoje” e “Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores...”.  A meditação que fazemos aqui também é uma oração. Mas, ela é diferente:quando meditamos não pedimos nada. Repetindo JE-SUS...JE-SUS...JE-SUS... acalmamos o nosso coração para ouvirmos o que Jesus está dizendo para nós.” Depois, perguntei a eles: “Se vocês fossem ensinar ao seu pai, ou à sua mãe ou ao seu irmãozinho como é a meditação, como vocês diriam?” Um menino disse: “Tem que ficar quieto”. “E o que mais?”, perguntei. “Tem que ficar sentado e dizer JESUS, JESUS”. “E o que mais? Está faltando uma coisa, quem se lembra?” , disse-lhes eu. Dessa vez ninguém se lembrou. Falei, então: “’E preciso fechar os olhos para ficar mais atento ao som da palavra, lembram? Então, vamos repetir tudo e, ao mesmo tempo em que falamos, vamos nos preparar para meditar?  Vamos nos acomodar sentados, com as costas retas, os olhos fechados, quietinhos, procurando não se mexer.  Vou tocar o sino três vezes e, depois disso cada um começará a repetir a palavra Jesus, dizendo calmamente: JE-SUS...JE-SUS...JE-SUS.... Comecemos.”

11-  Num dia, quando cheguei, uma das meninas, chamada Giovana, estava muito triste com a morte de seu pai. Costumava ser uma das mais agitadas do grupo. Ela é gordinha e bem forte. Brigava às vezes com outras meninas. Nesse dia, ela estava quietinha.  Falei, então: “Giovana, seu pai estava sofrendo muito, em cima da cama, sem poder fazer nada. Ele não podia estar com você nem com sua família.  Agora, lá do céu, ele poderá prestar atenção a você em todos os lugares onde você estiver: na creche, em casa, quando você estiver na rua, no recreio etc. De lá, ele poderá protegê-la melhor.” Falei, então, para as outras crianças: “Vocês ouviram o que eu disse a Giovana? Jesus uma vez falou a seus amigos: “Quando dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, eu estou aí no meio deles”  (Mt 18,20). Jesus disse também: “O que vocês pedirem em meu nome, eu o farei, para que meu Pai seja glorificado no Filho. Se vocês pedirem qualquer coisa em meu nome, eu o farei.” Jo 14,13-14) . Então vamos pedir ao Papai do Céu, em nome de Jesus, que ele tome conta do pai da Giovana, que lhe dê a paz e que, também, proteja e acalme Giovana e sua família, ok? Vamos entregar esses pedidos ao Papai do Céu, fazendo a nossa meditação. “

12-  Comprei uma caixa de bombons. Fiz dois grupos de fichas de papel numeradas. Dei a cada criança um bombom e uma ficha. Arrumei o outro grupo de fichas em uma bandeja. Pedi a cada uma das crianças que desse uma mordida no bombom, que o embrulhasse de novo e colocasse o resto do bombom na bandeja em cima do número de sua ficha. (Foi a maneira que arranjei de não confundir o resto do bombom de uma criança com o de outra.) Disse-lhes: “Vou mostrar a vocês como é difícil fazer uma coisa pensando em outra coisa. Vamos começar a fazer a meditação. Sentemos com a coluna reta, os olhos fechados. Vamos cantar a nossa canção e, depois de eu bater o sino  por três vezes, vamos começar a repetir o nome de JESUS, baixinho em nosso coração.” Cantamos: “Como Tu queres Senhor sou Teu....” Meditamos. Várias crianças abriam os olhos para ver se o bombom ainda continuava lá. Um menino nem fechou os olhos. Ficou fitando a bandeja de bombons o tempo todo da meditação !!! Quando o tempo acabou, falei: “Vocês viram como é difícil fazer uma coisa pensando em outra? Alguns de vocês nem meditaram nem comeram o bombom, porque não o podiam fazer. Notem então a importância de prestar atenção ao momento presente e fazer cada coisa como se fosse a coisa mais. Agora, eu vou distribuir o resto dos bombons e vocês vão ver, também, como eles vão parecer mais gostosos ainda. Depois da meditação tudo parece mais gostoso. Reparem.” Distribui os bombons e elas foram para o recreio brincar.

13-  Logo que cheguei, uma criança me disse que gostava muito das aulas de judô que fazia. Aproveitei essa conversa e disse: “Vocês já notaram que para aprender qualquer coisa: futebol, judô, português, matemática precisamos ouvir  e prestar atenção ao que o professor diz? A gente precisa ouvir o que o treinador diz para conseguir fazer o gol, no jogo de futebol, não é ? Para saber fazer a vontade de Deus também precisamos fazer a mesma coisa: ouvir, prestar atenção. A meditação nos ajuda a acalmar nossa mente, limpa nossa cabeça dos pensamentos e, assim,  podemos ouvir o Papai do Céu e saber qual é a vontade d’Ele, a vontade de Deus. Vamos então meditar? Acalmar a nossa mente dos milhares de pensamentos? Vamos ouvir Jesus no nosso coração?”

14-  “Estão vendo esse papel?  Quando cheguei aqui, hoje, resolvi fazer uma lista do que acontece com as pessoas que meditam todos os dias. A meditação nos ajuda a acalmar nossos pensamentos, a prestar atenção  à presença de Papai do Céu no nosso coração, a aprender a ouvir a Deus e aos outros, a sermos melhores pessoas.  Vocês concordam com isso ?” “Sim! Sim!”, as crianças disseram. Perguntei, então: “O que mais vocês podem acrescentar à essa lista? A meditação ajuda a quê?” Um menino disse: “A relaxar”. Outro: “A acalmar”. Disse: “Muito bem. Vou acrescentar suas opiniões à lista de itens. Vamos então meditar? Sentemos com a coluna reta, olhos fechados, tentem não se mexer ajudar a mente a ficar quieta. Se algum colega mexer com você, atrapalhar você, quiser conversar, não lhe dê atenção. Continue com os olhinhos fechados, aprestando atenção à sua palavra. Não permita que nada nem ninguém afaste você dessa calma. Se houver algum barulho não ligue para ele. Tudo passa. Nada é importante. Só importa você estar atento à palavra Jesus. Diga de mansinho: JE-SUS, JE-SUS, JE-SUS, o tempo todo.”

Nesse dia, uma das ajudantes da turma do Jardim B havia faltado e tive que fazer a meditação com a turma toda. Eram 25 crianças, entre 5 e 6 anos de idade. A maioria delas já havia completado 6 anos, pois já estávamos no mês de novembro/2004. Todas se sentaram no chão, com a “perninha de chinês”(posição semi-lótus”). Falei mais ou menos a mesma coisa que havia falado para a turma do CA. Acrescentei que a meditação faz criar uma ligação muito grande entre as pessoas. Que eles um dia poderiam ir para outro colégio mas, a amizade, a ligação que eles tinham sentido durante o tempo em que meditaram juntos iria ficar para toda a vida deles. Contei-lhes que dois alunos do CA haviam me ajudado a colocar mais itens na lista. Perguntei-lhes se elas gostariam de acrescentar alguma coisa a essa lista. “O que a meditação cristã faz com você?” Uma menina disse: “Faz ser amigo”. “Gostei muito do que você falou. Vou acrescentar aqui na nossa lista. Vamos meditar agora? Vamos todos ficar quietinhos de olhos fechados, repetindo a palavra JESUS, bem de mansinho. Se pensamentos ou imagens viverem à sua mente, respire fundo e volte  a repetir JE-SUS, JE-SUS, JE-SUS.“ Esse dia foi muito gratificante para mim pois todas as 25 crianças meditaram, durante os 6 minutos, sem se mexer, bem concentradas, calminhas. Quando acabou o período de meditação, senti-me rodeada de lindos anjinhos amigos. A irmã ficou, também, muito emocionada.