Muitos criticam o Papa dizendo que há interferências dele no governo Bolsonaro e que a igreja deveria apenas rezar e se dedicar à celebração dos rituais litúrgicos. Também dizem que a Igreja, apesar de sua riqueza, faz muita pouca caridade.

Nossa resposta:
Uma religião que visa exclusivamente a relação com Deus, excluindo o próximo, é uma religião egoística e torna-se ?ópio dos povos?, quando se apropria de Deus e faz dele uma muleta para massagear o próprio ego. Infelizmente há muito disso. Se observarmos bem o evangelho, percebemos que Cristo veio ao mundo para fazer de todos os homens ?um corpo e um só espírito?. Falou que veio trazer a paz e também a guerra. A paz aos homens de boa vontade e lutou acerbamente contra o egoísmo e a hipocrisia. Pensando bem Cristo foi o maior revolucionário da história. Colocou os pobres e os oprimidos como prioridade da sua pregação. Exaltou os humildes. Isso provocou a ira dos opulentos opressores. Instalados no próprio conforto não aceitaram que houvesse o perigo para serem removidos dos seus tronos. O filho de Deus pagou com sua vida tanta ousadia! Foi condenado e crucificado. Mas Deus o ressuscitou ao terceiro dia e Ele vive naqueles que aceitam a sua mensagem. Após dele, milhares de pessoas consagram sua vida para ligar os homens com Deus através do serviço ao próximo, para lhes dar ?vida em abundância? Muitos que se dizem cristãos e se fecham em si mesmos, na verdade, renegam o próprio Cristo. Para eles não importa nada se a maior parte da população vive na miséria que cada vez mais assola a humanidade. Não se importam com a devastações das florestas ou da poluição que só leva à morte. O importante para eles e para muitos governantes é o lucro imediato, a vantagem política imediata. 
Ao contrário, os acreditam em Cristo, como Don Romero e tantos outros preferem morrer pela causa dele do que viver fechados em si mesmos  
O Papa Francisco, apesar de morar no Vaticano, está seguindo as pegadas de Cristo e do ?Povellero de Assis?. A encíclica ? Laudato si?? foi publicada em 18 de junho de 2015, portanto bem antes da eleição Bolsonaro. A encíclica é um grande apelo para salvar o nosso habitat para que a humanidade possa continuar vivendo na terra. O sínodo na Amazônia foi promulgado 08 de novembro de 2018, e foi preparado bem antes, sem pensar em governo Bolsonaro, mas, sim no problema ecológico que envolve a humanidade toda.
Papa Francisco luta para que todos possam viver. É por isso que constantemente apela aos governantes para que haja uma solução humanitária para o grave problema da imigração que mata diariamente centenas e pessoas. O seu grito é o grito de Deus do monte Sinai: ?Não matarás?.
 Francisco não está instalado no Vaticano como um soberano imperador feito um deus, ele sai a campo para o bem de toda humanidade. Muitos ao verem a majestade da basílica de São Pedro, as colunas do Bernini e os museus Vaticanos ficam estupefatos frente a tantas riquezas e gostariam que tudo isso fosse doado para ONU. Será que a ONU faria de todo esse complexo arquitetônico melhor uso? Na verdade, a riqueza arquitetônica ou artística é um peso econômico para a instituição eclesiástica.
 Quanto à ação caritativa, muita gente não sabe que a igreja católica, através da Caritas é a maior benfeitora entre todas as religiões. Sem falar que cada paróquia tem seu braço caritativo para socorrer os mais necessitados. Nas trincheiras mais avançadas da pobreza e miséria lá encontramos padres e freiras. É só pesquisar  para saber o que a Igreja Católica faz, mas pouco, ou nada divulga. Meus queridos amigos, a Igreja católica, nossa mãe, está um tanto velinha, mas é através dela que a mensagem de Cristo chegou até nós, por isso ajudamos ela a eliminar defeitos inerentes à idade e a seguir anunciando a palavra salvadora de Deus. 
Creio que Francisco se esforce para isso.

Por Mario Palumbo