Nossas crianças são os tesouros mais preciosos e tb mais frágeis que Deus nos confia para o crescimento e felicidade deles e ñ nosso. Temos a terrível possibilidade de ajudá-las ou até de destrui-las.

A educação é a mais difícil das artes. Nunca sabemos com certeza matemática como agir. Sabemos porém que ñ será na violência, no grito que vamos ajudar o crescimento.

Com este método apenas conseguiremos frustrar o crescimento. É como cortar as asas do passarinho. A tranquilidade e autodomínio dos adultos envolvem de serenidade as crianças. O ambiente de paz e alegre é oxigênio necessário. Estigmatizar uma criança de preguiçosa ou burra significa convence-la disso, destruir sua autoestima

Nenhum educar é perfeito. Só Cristo. Aliás reconhecer que tb erramos é pratica educativa. Nós educadores devemos ter a humildade de pedir conselhos, orientação sempre que precisar.

Educar para eles, ñ para nós. Educar para o sucesso é educar para o fracasso. Melhor educar para o equilíbrio emocional. Sobretudo dar exemplos. Educar para o bom relacionamento com as pessoas e sobretudo com Deus Amor. Orar juntos, agradecer. Diariamente. A catequese sem o exemplo na família é planta que morre logo.

Esperar a adolescência para levar as crianças ao gosto e amizade com Deus ñ terá sucesso, sem a prática na família.

Qdo tudo parece impossível ou perdido temos a fortíssima arma da oração, na qual, de joelhos, deixamos o Cristo que nos habita falar com o Pai em nosso lugar.

Ele que nos confiou seus filhos ao nosso cuidado, resolverá as nossas lacunas e saberá conduzir nossas crianças aonde Ele estabeleceu.