MARANATHA

Maranatha é palavra aramaica,  dialeto que Jesus falava. Encontramos maranatha no final da primeira carta aos Coríntios e no final do Apocalipse. Significa vem Senhor ou o Senhor veio.

Tudo indica que é uma breve oração (jaculatória) que os primeiros cristãos usavam para rezar.

São Paulo não usaria esta palavra aramaica para os cristãos helênicos de Coríntios se eles já não a conhecessem. É um pouco como para nós as palavras que usamos nas liturgias, como aleluia, hosana, amém, Kyrie eleison. Maranatha é o mantra da meditação cristã que repetimos em nossa meditação matinal e vespertina. A repetição do mantra permite enraizar a palavra sagrada em nosso coração. Assim também obedecemos ao preceito bíblico de rezar sem cessar. A presença divina que nos habita torna-se  evidencia que acompanha nosso dia a dia e até brota na inconsciência do nosso dormir.

Ficamos assombrados pelo fato que o Senhor criador do céu e da terra nos constrói célula por célula desde o útero da nossa mãe. Ele veio e vem a todo instante para nós. Ele veio e vem nas mil manifestações da vida da história humana como na vida de cada um, como se fossemos  único filho.

Ele vem para saciar a fome do faminto e a sede de quem não tem água.

Maranatha é o grito do doente que procura saúde, do cego que procura a luz, do coração desamparado, da humanidade em guerra a procura da paz. É o grito da natureza escravizada e destruída pela ganância humana. É o grito do mar contaminado, do ar poluído e dos rios que morrem.

Vem Senhor, vem nos salvar. Maranatha resume toda a história da bíblia, do povo que constantemente se ilude com seus ídolos do egoísmo e do materialismo que expulsam do coração o verdadeiro Deus. A natureza humana no mais profundo do ser, grita incessantemente por socorro: Vem Senhor, e o Senhor vem, aliás ele está à porta a bater para que nos abramos para ele, para dele receber a vida plena, a paz do coração que só ele sabe e pode dar. A repetição silenciosa da palavra sagrada realiza diariamente o mistério da morte e ressurreição. Na meditação não refletimos, não pedimos nada, não conversamos com Deus, fazemos algo mais importante: ficamos com Deus na escuta, como, em Betânia, Maria de Mágdala  aos pés de Cristo, a  escolher a melhor parte. Vivenciamos o mistério pascal da morte e ressurreição: morremos à nossa imaginação, ao nosso raciocínio e na fé, ressuscitamos para a vida de Cristo escondido em nós. Deixamos que a oração de Cristo aflore em nós.  Maranatha é  síntese e significado de todo mistério eucarístico, que vem a nós como alimento e vive intercedendo por nós.

Maranatha é a expressão de um Deus apaixonado pela humanidade. É a paixão do noivo que diz à noiva  vem, não ajoelhado, mas crucificado a espera que a noiva responda vem, MARANATHA